Druckerestatística

A reivindicação de Mike Novogratz sobre a Popularidade do Bitcoin vs Apple Shares Wrestles With Statistics

  • A Novogratz alegou que a popularidade do Bitcoin excedeu qualquer outro ativo existente, incluindo o Google e a Apple.
  • Os dados mostram que embora este possa ou não ser o caso, provavelmente não é o caso.
  • Independentemente disso, o sucesso da Bitcoin não é exagero.

Mike Novogratz sabe uma ou duas coisas sobre números. O ex-sócio do Goldman Sachs transformou o touro bilionário Bitcoin Future (BTC) passou a maior parte de sua carreira trabalhando em finanças, portanto, quando ele faz publicamente uma afirmação que envolve números, as pessoas se sentam e ouvem.

Falando em sua conta no Twitter recentemente, a Novogratz afirmou que Bitcoin é agora o ativo financeiro mais amplamente detido no mundo, mais do que até mesmo as ações da Apple e da Alphabet.

Se for verdade, esta seria uma revelação bastante inovadora porque não só tornaria Bitcoin o bem mais procurado na Terra, mas também significaria que, quer alguém o notasse ou não, o cripto já atravessou o rubicão da adoção.

Embora a adoção do cripto seja geralmente medida em relação à prevalência contínua da moeda fiduciária, esta incrível estatística significaria que possivelmente todos têm medido a coisa errada.

Então, é verdade?

Para encontrar nosso caminho para a resposta, a primeira coisa a fazer é estabelecer quantas pessoas realmente possuem Bitcoin, e é aí que as coisas se tornam um pouco complicadas.

A coisa é – apesar da existência de uma cadeia de bloqueio aberta que qualquer um pode escanear com um explorador de blocos – a maior parte das informações que se pode obter é que endereço envia quanto para que endereço e quanto é onde. É impossível extrapolar tais dados em informações de alta qualidade sobre quantos proprietários de Bitcoin existem no mundo.

Ainda assim, representa um início útil na jornada até lá, por isso poderíamos começar olhando para este gráfico mostrando quantas carteiras de blockchain – incluindo Bitcoin e todas as outras moedas criptográficas – existem atualmente.

Embora isto não nos diga muito sobre a Bitcoin especificamente, ele define o tom para o próximo bit de dados visuais, desta vez a partir de BitInfoCharts mostrando o número total de carteiras Bitcoin existentes contendo um valor BTC acima de $1.

De acordo com a medida de (valor BTC = >$1) que é geralmente usada para diferenciar entre usuários/portadores ativos e carteiras inativos, existe atualmente um total de 36.107.965 carteiras de Bitcoin. Infelizmente, isto é o máximo que os dados podem ser pesquisados.

É impossível determinar quantas dessas carteiras pertencem a indivíduos únicos, portanto não se pode usar esse número como o número total de usuários de Bitcoin no mundo. No entanto, pode-se extrapolar a partir deste número que milhões – se não dezenas de milhões – de pessoas em todo o mundo atualmente usam ou seguram Bitcoin.

E o estoque do Google e da Apple?

A busca para descobrir quantos acionistas essas duas mega-empresas incluíram tudo, desde a página NASDAQ da Alphabet até os registros de arquivamento da SEC da Apple. Depois de vários dias de leitura de seus livros para se ter uma idéia de onde obter essas informações, aos poucos ficou claro que apenas informações sobre investimentos institucionais estão prontamente disponíveis em informações de arquivamento público americano.

Algumas escavações complementares trouxeram à tona o comerciante e economista independente Thomas Miller, que finalmente deu uma resposta simples e definitiva a esta pergunta em particular:

„Você não pode encontrar este número em nenhum lugar e seria impossível estimar“.

Simplificando, sob a lei americana, as participações individuais e carteiras de ações não institucionais são classificadas como informações privilegiadas que não podem ser encontradas no domínio público. Na verdade, colocá-las no domínio público poderia até mesmo ser ilegal.

É claro que, como ex-sócio do Goldman Sachs, a Novogratz possivelmente tem conhecimento pessoal e acesso que poderiam lhe permitir fazer esta chamada. Mas na ausência disso, é preciso assumir que é impossível tanto descobrir o número de usuários do Bitcoin quanto o número de acionistas de uma empresa americana de capital aberto.

Como no caso da Bitcoin, a única alternativa disponível é ampla e não específica, mas, mesmo assim, oferece algo de insight que de outra forma não estaria disponível. O gráfico abaixo é de uma pesquisa Gallup domiciliar americana realizada em junho de 2020.

De acordo com os dados, 55% das famílias americanas possuem algum tipo de estoque ou investimento, normalmente na forma de um 401(k). Os dados do Statista colocam o número total de lares nos EUA em 128,58 milhões, o que significa que mais de 70 milhões de lares nos EUA de fato possuem algum tipo de ativo financeiro, excedendo significativamente os 36 milhões de carteiras Bitcoin existentes.

Portanto, parece que a Novogratz pode ter exagerado a realidade da popularidade da Bitcoin em alguma distância, mas mais uma vez é muito difícil dizer.

Em março, o México registrou remessas dos Estados Unidos no valor de US$ 4 bilhões em um único mês – remessas que estão sendo pagas cada vez mais em Bitcoin. Existe um cenário em que uma única carteira Bitcoin pode ser utilizada por vários destinatários, como em um serviço de entrega de remessas que recebe criptografia do remetente e remete seu fiat equivalente ao do destinatário.

Em outras palavras, o número de pessoas que realmente possuem ou usam Bitcoin pode ser significativamente maior ou menor do que o número de carteiras Bitcoin existentes. O verdadeiro takeaway, no entanto, é que a Bitcoin está até mesmo sendo mencionada no mesmo fôlego que o segundo e quarto classificados no NASDAQ. Não há uma década atrás, o Bitcoin ainda se encontrava à margem da consciência financeira, levado a sério por apenas um punhado de membros do ecossistema Cypherpunk e de seus primeiros adeptos.

Agora, em 2020, a Novogratz pode ou não ter exagerado seus números, mas essa não é mais a história. Bitcoin é agora um dos grandes, não apenas no mundo das finanças especulativas, mas também em toda uma nova gama de aplicações do mundo real no mundo em desenvolvimento.

Essa é a verdadeira história.

As opiniões expressas aqui são as do autor e não necessariamente representam ou refletem as opiniões do BeInCrypto.